quarta-feira, 9 de abril de 2014

então, na semana passada eu não consegui cumprir com o combinado porque a semana foi agitada. a verdade é que não me lembrei de escrever e, quando lembrei, já estava tarde. preferi não o fazer.

pois bem, as vezes quando me sento para escrever aqui para o blog não faço ideia do que irá sair, porque na maioria das vezes não tenho um tema para a qual eu deva, ou queira, me dedicar. logo no início deste ano, escrevi sobre um livro que eu estava começando a reler: aos meus amigos, de maria adelaide amaral. o tempo passou e eu não consegui avançar muito na leitura. novamente. então, decidi que este livro não deve ser lido por mim. ou ele tem coisas demais ou de menos. não prendeu minha leitura. achei chato. desisti. a minha ideia é trocá-lo por outro, num sebo, no centro da cidade.

mas, enquanto isso não acontece, eu resolvi ler um outro livro, que está na lista dos mais vendidos desde o ano passado: a culpa é das estrelas, de john green. não conhecia este autor, muito menos seus livros anteriores. não li nenhuma crítica, resenha, ou qualquer coisa que fizesse referência ao livro, somente o que vinha escrito na contracapa o que, para mim, foi suficiente. ao começar a leitura não consegui parar de ler. o livro é de uma leitura simples, que é facilitada pela linguagem escolhida pelo autor. a história de dois adolescentes com câncer em fase terminal já ganhou uma versão para o cinema que estreará no dia 5 de junho. não ficarei aqui resenhando nem contando detalhes das páginas. o que quero dizer é que este é o tipo de livro que deixa uma marca. e esta é uma das questões discutidas pelos dois protagonistas da história. fiquei feliz por tê-lo lido e, apesar da aparente tristeza, é um livro de superação. superação de valores. nos faz refletir sobre o que, de fato, vale a pena para que vivamos a vida plenamente, sem perder tempo. não tenha preconceito, o livro foi escrito para a mesma faixa etária dos seus personagens, ou até menos, mas é o tipo de história que comove e nos prende do início ao fim, independente da idade. leia, reflita e viva.


Nenhum comentário: